maio 20, 2011

OLHAR EPISCOPAL - EDIÇÃO 09

A PALAVRA DE ORDEM É PARTICIPAÇÃO


No texto das novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja do Brasil, os bispos, tratando das perspectivas de ação das urgências da ação evangelizadora, sugerem: “Incentive-se cada vez mais a participação social e política dos cristãos leigos e leigas nos diversos níveis e instituições, promovendo-se a formação permanente e ações concretas. Incentive-se a participação, ativa e consciente, nos Conselhos de Direitos. Quer promovendo, quer se unindo a outras iniciativas, incentive-se a participação em campanhas e outras iniciativas que busquem efetivar, com gestos concretos, a convivência pacífica, em meio a uma sociedade marcada por violência, que banaliza a vida” (DGAE 2011-2015, n. 107).
Entre nós, na Arquidiocese de São Paulo, atendendo a um apelo de nosso arcebispo dom Odilo Pedro Scherer, desde o início deste ano, desencadeia-se um processo de formação e articulação dos candidatos aos Conselhos Tutelares da Criança e do Adolescente, cujas eleições deverão ocorrer no próximo dia 17 de agosto.
Alguns passos importantes foram dados: em primeiro lugar, foi constituída uma equipe de articulação em defesa da criança e adolescente, formada por membros da Pastoral da Criança, Pastoral Fé e Política, Pastoral do Menor, do CLASP e Pastoral da Juventude; foi promovido um primeiro encontro, no dia 2 de abril, no Centro Pastoral São José (Belém) com um significativo número de representantes das seis regiões episcopais, e das dioceses de Santo Amaro, Campo Limpo e São Miguel, quando foram elencadas várias propostas para a formação e articulação dos candidatos aos conselhos tutelares; no dia 14 de abril, realizou-se na Câmara Municipal de São Paulo uma audiência pública promovida pela equipe acima mencionada e pela Comissão de Defesa da Criança e Adolescente da Câmara Municipal de São Paulo.
No próximo sábado, 21 de maio, esperamos reunir novamente os candidatos das seis regiões episcopais, ligados às paróquias e comunidades da Arquidiocese, com a finalidade de se traçar um planejamento de ações a partir das propostas do encontro do dia 2 de abril, ou seja:
1. Realizar um encontro para todos os candidatos da Arquidiocese de São Paulo, a fim de se conhecer os candidatos e para que eles possam conscientizar-se das expectativas que a Igreja tem sobre eles;
2. Criar espaços para formação dos candidatos por região ou diocese (Santo Amaro, Campo Limpo e São Miguel);
3. Elaborar um material formativo/informativo para todas as paróquias, comunidades e entidades católicas;
4. Motivar, sensibilizar para as equipes regionais ou diocesanas se organizarem.
Considerando a importância do momento e os passos dados para articular, preparar, animar e fortalecer os candidatos das regiões episcopais para participarem do processo de escolha dos membros dos Conselhos Tutelares de 2011, acreditamos que será importante conscientizar e sensibilizar nossas comunidades para participar da eleição dos conselhos tutelares, através da divulgação mais ampla possível do folder formativo e informativo que chegará nas próximas semanas às paróquias e comunidades de nossa Arquidiocese; oferecer oportunidade para que os candidatos católicos, membros das paróquias, e comprometidos com a promoção das crianças e adolescentes, possam apresentar-se as comunidades para ouvir suas expectativas e propostas e ao mesmo tempo apresentar seus compromissos de atuação.

Será importante, também, desencadear um processo de escolha e acompanhamento efetivos desses candidatos de forma que, periodicamente, possam encontrar-se com as lideranças das comunidades para informá-las e sensibilizá-las para a realidade muitas vezes cruel em que vivem as crianças e adolescentes em situação de risco e, ao mesmo tempo, fazer uma “prestação de contas” das ações viabilizadas pelos conselhos tutelares.
Dentro deste processo, será necessário lembrar de tempos em tempos àqueles candidatos que se elegerem que “é imprescindível que o discípulo se fundamente no seguimento do Senhor que lhe concede a força necessária, não só para não sucumbir diante das insídias do materialismo e do egoísmo, mas para construir ao redor dele um consenso moral sobre os valores fundamentais que tornam possível a construção de 0uma sociedade justa” (DA 506).
Será de grande valor que o acompanhamento dado aos candidatos neste período que antecede a eleição para os Conselhos Tutelares de 2011, perdure e continue após as eleições de tal forma que possam sentir-se sempre animados pelos valores evangélicos nas suas atitudes e, possam tornar realidade o fato de “que é a vocação fundamental da Igreja neste setor formar as consciências, ser advogada da justiça e da verdade e educar nas virtudes individuais e políticas” (DA 508).
A palavra de ordem é participar! Prevê-se para o próximo dia 18 de junho um Fórum de Discussão e Debate sobre a participação nos Conselhos Tutelares, com a presença inclusive do Ministério Público. Não deixemos de medir esforços em participar, lembrando-nos sempre que as grandes causas se fazem com pequenas ações, que a conquista de uma sociedade justa e fraterna exige de nós fé profunda, compromisso efetivo com a comunidade que nos anima e sustenta, santidade e coerência de vida, e disponibilidade em participar!
Dom Milton Kenan Junior
Bispo Auxiliar de São Paulo
Vigário Episcopal para a Região Brasilândia