fevereiro 10, 2011

OLHAR EPISCOPAL - EDIÇÃO 03

A CATEQUESE VEM AÍ

por dom Milton Kenan Junior



A cada ano, no mês de fevereiro, ressurge a preocupação dos pais e expectativa das crianças e jovens, com o reinício do ano letivo; e, por conseqüência, com o retorno às aulas nas escolas públicas e particulares.
Também em nossas paróquias e muitas de nossas comunidades abrem-se as inscrições para a catequese infantil e de adolescentes, intimamente ligadas à preparação para os sacramentos da confirmação e da eucaristia. São milhares de crianças e jovens que se dirigem às nossas comunidades na esperança de poderem ingressar num dos grupos de catequese. E junto delas estão inúmeras famílias que desejam transmitir aos seus filhos a fé que um dia os próprios pais receberam.


Creio que este é um momento oportuno para pensarmos na formação catequética que oferecemos em nossas comunidades. Imagino que neste período os grupos de catequistas de nossas paróquias e comunidades se esforçam por planejar os encontros e atividades e reelaborar os conteúdos e programas do ano que se inicia.


Se não o fazem, aqui vai uma primeira dica: planejar! O êxito de nossa ação pastoral parte sempre da capacidade de planejar, ou seja, estabelecer objetivos, metas, programas e atividades que envolvam todos: famílias, crianças, jovens, catequistas, padre e comunidades.


Considerando a importância desse tema, eu chamaria a atenção para dois parágrafos do Documento de Aparecida que afirmam que “a catequese não deve ser só ocasional, reduzida a momentos prévios aos sacramentos ou à iniciação cristã, mas sim itinerário catequético permanente.” (n°298); e, “a catequese não pode se limitar a uma formação meramente doutrinal, mas precisa ser uma verdadeira escola de formação integral. Portanto, é necessário cultivar a amizade com Cristo na oração, o apreço pela celebração litúrgica, a experiência comunitária, o compromisso apostólico mediante um permanente serviço aos demais.” (n°299).


No momento de planejar nossa ação catequética será importante perguntar-nos se os encontros catequéticos são realmente um encontro com Jesus Cristo, anunciado por autênticas testemunhas, capazes de despertar nos catequizandos o desejo e a alegria de participar da vida da comunidade, envolvendo nesse processo os pais, primeiros e legítimos catequistas dos seus filhos, de forma que a formação na fé permeie toda a vida a ponto de tornar fé e vida inseparáveis.


Quero expressar meu apreço pelo trabalho dos catequistas e seus colaboradores! Estimulo a todos os catequistas a participarem dos encontros de formação promovidos em nossa Região, seja na ECAT (Escola de Catequese), ITEBRA (Instituto Teológico Brasilândia) ou ETEP (Escola de Teologia e Pastoral).



Desejo a todos os catequizandos e aos seus familiares um verdadeiro encontro com Jesus Cristo neste ano, em cada encontro catequético!



Que Deus nosso Pai nos abençoe a todos!


+ Milton Kenan Júnior
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo
Vigário Episcopal da Região Brasilândia